História mostra recuperação forte da economia depois de epidemias e guerras

(Poder360) – Há expectativa de que vários países, incluindo o Brasil, entrem em um ritmo de crescimento econômico forte por longo período depois de superada a pandemia da covid. Ciclos de alta do consumo e de investimento costumam suceder choques não-financeiros, como pandemias ou guerras. Mas economistas alertam para o fato de que isso não é uma certeza e de que, mesmo que o crescimento venha, será preciso tomar outras medidas para que seja sustentável.

À gripe espanhola (1918-1921) seguiu-se um período de bonança em vários países. Também foi assim com o surto de cólera em Paris, em 1830. A França entrou na Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra.

No Brasil houve prosperidade depois de 2 momentos: gripe espanhola e 2ª Guerra. É o que mostram dados históricos compilados pelo Poder360.

Na época, a manufatura crescia impulsionada pela demanda interna e por investimentos a partir do dinheiro da venda de café. Alguns cafeicultores viraram industriais. O lucro da lavoura também chegava a outros setores por meio do sistema financeiro. Novas fábricas eram construídas com empréstimos.

Em 1921, último ano da pandemia da gripe espanhola, a compra de máquinas e equipamentos atingiu 12,4% do PIB. No ano seguinte, a economia cresceu 7,8%, puxada pela indústria, que se expandiu 18,8%. A construção também prosperou.

A 2ª Guerra Mundial (1939-1945) trouxe devastação a partes da Europa e da Ásia. Depois veio o mais longo período de crescimento e estabilidade desses e de outros continentes. No Brasil foi assim. Em 1946, a indústria cresceu 18,5% e o PIB, 11,6%.

Depois da 2ª Guerra intensificou-se no Brasil o processo de substituição de importações. Passaram a ser produzidos no país produtos que antes vinham de fora. Isso levou a novos investimentos de empresas locais e também de multinacionais.

Há ainda as mudanças no lado da oferta: novos modos de organização da produção. Atualmente, o trabalho remoto aumenta a produtividade em alguns setores. A automação também tende a crescer.

Previsões

O FMI (Fundo Monetário Internacional) prevê aceleração do crescimento neste ano e no próximo em diversos países, incluindo o Brasil. Segundo a revista Economist, o crescimento forte e sincronizado dos países do G7, os mais ricos, será algo inédito desde o período que se seguiu à 2ª Guerra Mundial.

Pesquisa do banco UBS com 3.800 investidores de vários países, também no Brasil, constatou que 68% tiveram aumento de patrimônio em 2020 e 51% planejam aumentar os gastos em relação ao período pré-pandemia. O grupo entrevistado é de pessoas que, dependendo da faixa etária, têm de US$ 250 mil a US$ 1 milhão para investir. Não é um levantamento com valor estatístico por não se tratar de uma amostra desse segmento.

Com maior renda global, tende a aumentar a demanda por produtos brasileiros de maior valor agregado, como carnes. O valor das commodities que o país exporta já está subindo.

Riscos

Mas a história também mostra que situações assim exigem cuidados e políticas públicas eficientes. Há risco de aumento das disparidades de renda nos países beneficiados pela prosperidade e também nos outros, em consequência das mudanças econômicas globais.

Na década de 1920 houve aumento da desigualdade no Reino Unido“, diz Renato Colistete, professor de história econômica da FEA-USP (Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo). “O resultado disso foi maior tensão social e política“.

O Reino Unido foi um dos vencedores da 1ª Guerra Mundial. Na Alemanha, derrotada no conflito, a tensão social e política foi bem maior e resultou no nazismo.

Deixe uma resposta

Fale com a gente!