Se corte de salário não for mantido, bares e restaurantes quebram em junho, diz presidente da Associação

(Uol) – O setor de bares e restaurantes pode enfrentar nova onda de quebradeira em junho se o governo não renovar ou prorrogar duas medidas: a que permite a redução da jornada e salários de empregados; e a que prorroga o vencimento de dívidas por dois meses, afirma o presidente da Abrasel, Paulo Solmucci.

Segundo ele, essas duas medidas – que começaram a valer em março – passam a expirar a partir da semana que vem e precisa ser renovadas. “Se não forem tomadas medidas de renovação já, vamos ter uma segunda onda de colapso. Temos uma bomba-relógio na próxima semana”, afirma.

Programa de crédito estava errado

Para o presidente da Abrasil, o impacto da crise foi agravado no Brasil por causa dos ajustes que precisaram ser feitos nos programas de crédito. “Erraram completamente o diagnóstico da crise”, disse.

Com os ajustes feitos no programa de crédito, só na terceira semana deste mês, é que o crédito deve começar a ficar acessível para os empresários, afirma Solmucci.

 

 

Deixe uma resposta

Fale com a gente!