Denunciar assédio é difícil, mas necessário

Por Adriana Vasconcelos, Poder360

Não se engane, é preciso ter coragem para denunciar um chefe ou alguém muito próximo do seu convívio por assédio moral, sexual ou violência física. Pode ser constrangedor e doloroso, em diferentes aspectos. E não só para você, mas também para outras pessoas que amamos.

Não se engane, é preciso ter coragem para denunciar um chefe ou alguém muito próximo do seu convívio por assédio moral, sexual ou violência física. Pode ser constrangedor e doloroso, em diferentes aspectos. E não só para você, mas também para outras pessoas que amamos.

Mas se nos calarmos, aí mesmo que os constrangimentos e a dor seguirão sendo companheiros permanentes de jornada. E muito provavelmente, servirão de incentivo para outras desagradáveis surpresas que poderão vir, se não dermos um basta definitivo a desrespeitos sucessivos.

O melhor é perceber que muitas das denúncias surtem efeitos e têm como resultado punições efetivas, que podem ter um efeito pedagógico para outros aventureiros acostumados a desrespeitar mulheres ou quem quer que seja. Dentro de casa ou no trabalho.

Não ao assédio sexual ou moral

Foi o que aconteceu com Rogério Caboclo, que foi afastado da presidência da Confederação Brasileira de Futebol, 2 dias após uma funcionária da entidade acusá-lo de assédio sexual e moral.

A denúncia foi feita ao Conselho de Ética da CBF no último dia 4 e partiu da secretária que atendia diretamente Caboclo na presidência da entidade.

As acusações de assédio foram acompanhadas de gravações de áudios, feitas pela funcionária, comprovando a veracidade de suas denúncias. Em uma delas, Caboclo se vira para a secretária e pergunta: ‘Você se masturba?’

Antes de formalizar a denúncia, a funcionária chegou a compartilhar com colegas e superiores o que estava acontecendo, mas nenhuma providência formal foi tomada, permitindo que o assédio prosseguisse.

A secretária passou, por exemplo, pela humilhação de ser chamada de ‘cadelinha’ pelo chefe, após recusar a oferta de biscoitos caninos, durante uma reunião da entidade promovida na casa do presidente da CBF.

Ao tomar conhecimento da disposição da secretária de levar adiante a denúncia, já de conhecimento de todos diretores da CBF, advogados de Caboclo teriam chegado a oferecer R$ 12 milhões à funcionária. Uma espécie de cala boca para que ela não levasse adiante a acusação.

Mas, para a surpresa dos mentores da ideia, a generosa oferta foi recusada, colocando fim a dor de uma mulher acuada pelo tratamento desrespeitoso e criminoso do chefe.

Arrependimento público

O médico gaúcho e influenciador digital Victor Sorrentino também viveu maus momentos nas últimas semanas, desde que divulgou em suas redes um vídeo no qual fazia uma brincadeira de cunho sexual com uma vendedora egípcia, que sem entender o que acontecia, ria.

A repercussão negativa da publicação, o levou a apagar o vídeo e a fazer outro, com a autorização da vítima, pedindo desculpas públicas por seu comportamento.

Tarde demais! O episódio já havia ganho dimensões inimagináveis.

Quando se preparava para deixar o Egito, o médico brasileiro foi detido sob acusação de assédio sexual contra a vendedora, com quem já havia se desculpado.

Após 8 dias de averiguações, ele foi liberado. Graças à decisão da vendedora egípcia, que aceitou novamente outro pedido de desculpas públicas, se recusou a prestar queixa ou mesmo receber qualquer indenização financeira pelo que passou.

Já o Victor Sorrentino que retornou ao Brasil, certamente é muito diferente daquele que viajou para o Egito.

A lição também foi aprendida. A detenção e o constrangimento público do médico foram excessivos? Talvez. Mas, certamente, foram pedagógicos.

Aprendizado pelo amor ou pela dor

Muitos amigos meus dizem que a vida ficou chata. Com a patrulha do politicamente correto tudo vira polêmica, com capacidade de promover cancelamentos sumários de pessoas nas redes.

O que acaba reforçando um velho ditado, que um dia tive de ensinar para o meu filho: ‘Você aprende pelo amor ou pela dor’.

Mães e pais, muitas vezes, tentam proteger os filhos das dores. Nem sempre conseguem.

Em outras ocasiões, o amor desmedido de pais pode ser retribuído com ódio, frieza e interesses outros. Exemplos não nos faltam.

Um dos mais famosos é o caso do assassinato de Manfred Albert von Richthofen e Marísia von Richthofen. Crime cometido pelos irmãos Daniel e Cristian Cravinhos a mando da filha do casal, Suzane von Richthofen.

Feminicídios 

Dados da Rede de Observatório da Segurança, que somam registros de apenas de 5 dos 27 estados brasileiros, indicam que no ano passado pelo menos 5 mulheres, por dia, foram vítimas de feminicídios.

O amor que vira ódio. Por não ser correspondido ou não se curvar às ordens ou caprichos do companheiro. Uma tragédia antiga, que se repete diariamente e deixando um rastro de sangue e corações partidos pelo caminho.

O que me leva a refletir sobre o momento de virada da chave: quando o amor desaparece, abrindo espaço para os mais sombrios tipos de sentimentos?

Em casos como estes, a denúncia diante dos principais sinais de violência se torna quase que uma questão de vida ou morte.

Que não nos falte coragem para fazer o que precisamos!

Deixe uma resposta

Fale com a gente!