Melhora da economia deve ser percebida no 2º semestre, diz Silvio Campos Neto

(Poder360) – Silvio Campos Neto, 44 anos, sócio e economista sênior da Tendências Consultoria, avalia que a percepção da sociedade com a melhora da economia deve ser sentida no 2º semestre deste ano. Ele estima crescimento de 4,4% no PIB (Produto Interno Bruto) em 2021 e de 2,2% em 2022.

O analista foi entrevistado pelo Poder360 na 5ª feira (1º.jul.2021). Ele é formado em Economia pela Universidade de São Paulo, com mestrado na área pela Fundação Getúlio Vargas. Também é professor da Faculdade Oswaldo Cruz. Atua há 16 anos como analista de macroeconomia.

De acordo com ele, a economia recompôs parte das perdas no fim de 2020 e início de 2021. Uma parcela do crescimento forte deste ano se deve ao ano de comparação frágil, de 2020, quando o PIB tombou 4,1%. Mas há elementos de melhora concreta da economia, segundo ele, principalmente na indústria, na construção civil, no agronegócio e no extrativismo.

É natural agora que tenhamos um avanço do processo de vacinação. Esperamos também que o setor de serviços consolide uma melhora. Aos poucos, a melhora deve atingir uma camada maior da população. Acho que esse é o desafio na verdade: fazer com que essa recuperação econômica se dissemine pelos diferentes setores e comece a influenciar positivamente a vida das pessoas, principalmente através de uma melhora mais consistente do mercado de trabalho, que é o que deve acontecer nos próximos meses”, afirmou.

Campos Neto diz que, por enquanto, não há uma percepção de melhora da economia, visto que o PIB do 1º trimestre, que registrou crescimento de 1,2%, foi puxado pelo agronegócio e por exportações.

A percepção hoje da sociedade não é de um cenário positivo, não só pelo mercado de trabalho, mas também pelo contexto inflacionário. Diversos preços de itens importantes tiveram variações elevadas. Mas, ao longo do 2º semestre, a gente deve observar uma melhora dos indicadores”, afirmou.

Ele demonstrou preocupação, porém, com o cenário para 2022. Falou que é um ano “potencialmente complexo para as decisões econômicas” por causa das eleições.

Além disso, o processo de redução de estímulos nos países desenvolvidos, como os Estados Unidos, deve dificultar a recuperação das nações emergentes. “Certamente é um ano com mais desafios e, por essa razão, a expectativa de um crescimento mais comedido no próximo ano (de +2,2%)”, afirmou.

CONTAS PÚBLICAS

Silvio Campos Neto diz esperar intensificação das cobranças do mercado para a volta da rigidez fiscal. As medidas adotadas hoje não asseguram a estabilização da dívida pública, avalia.

O teto do aumento de gastos de 2022 será corrigido com a taxa de inflação registrada no acumulado de 12 meses até junho deste ano. O BC estima que será de 8,4%. O percentual elevado permite uma folga fiscal no ano eleitoral. Mas o mercado vê essa folga com ceticismo.

Leia outros tópicos da entrevista:

  • medidas de ajuste fiscal – “Daqui para a frente, dificilmente devemos observar avanço de temas fiscais relevantes. Tivemos uma boa reforma da Previdência, mas as outras medidas deixaram a desejar. É reflexo de um governo com grandes dificuldades de articulação política“;
  • estima PIB de +4,4% em 2021 – “Há sinais de melhora concreta de alguns segmentos: indústria,comércio, construção civil e toda a parte do agro voltada para o exterior“;
  • empregos – “O [trabalho] formal já vem se recuperando e, possivelmente, o informal deve ganhar também mais ímpeto com a gradual superação da pandemia“;
  • crise hídrica e inflação – “Não esperamos racionamento, mas, em termos de preços, é um fator de risco. Pode levar o Banco Central a ter uma atuação mais agressiva nos juros“;
  • preocupações para 2022 – “É um ano potencialmente complexo para as decisões econômicas. E também terá um contexto externo mais desafiador com a perspectiva de que o Fed [Federal Reserve] inicie um processo de redução de estímulos nos Estados Unidos“;
  • reforma tributária – “Não esperamos avanços significativos. Nossa situação tributária é tão problemática que o ideal seria substituir por completo o sistema, aos moldes da PEC 45, que vinha sendo discutida. Mas é improvável que isso aconteça“;
  • reforma administrativa – “Até podemos observar avanços, mas difusos e de longo prazo”;
  • dólar – “Haveria espaço para uma queda adicional, mas diante das incertezas internas e da alta dos juros lá fora, eventualmente, pode ser revertida no 2º semestre“;
  • inflação – “A perspectiva é de desaceleração. Esse patamar de 8% não nos parece razoável até o fim deste ano e o próximo. Estamos falando de uma economia que se recupera, mas com ociosidade ainda e o mercado de trabalho com taxa de desemprego elevada“.

 

Deixe uma resposta

Fale com a gente!